Prosavana em discussão no seio das organizações da sociedade civil em Nampula

TWITTER
FACEBOOK
Friends of the Earth Mozambique / Justiça Ambiental | 19 de Janeiro de 2016
 
Prosavana em discussão no seio das organizações da sociedade civil em Nampula
 
Decorreu nos dias 11 e 12 de Janeiro de 2016 no salão nobre do Conselho Municipal da Cidade de Nampula, uma reunião segundo a qual “responde” à necessidade de melhorias na comunicação e diálogo entre os proponentes e as Organizações da Sociedade Civil moçambicanas interessadas nos moldes como estão sendo levado um dos maiores programas de desenvolvimento do sector agrário em Moçambique, particularmente no Corredor de Nacala, conhecido por ProSavana.
 
A pedido da Agência de Cooperação Internacional de Japão (JICA), a reunião foi organizada pela Plataforma de Organizações da Sociedade civil de Nampula (PPOSC-N), Fórum de ONGs do Niassa (FONAGNI), Fórum de ONGs da Zambézia (FONGZA), Rede de Organizações para Ambiente e Desenvolvimento Comunitário Sustentável (RADEZA) em parceria com a empresa de consultoria MAJOL Consultoria e Serviços Lda. Segundo estes, constituem os objectivos de encontro a criação de um grupo de trabalho para estabelecer um mecanismo de diálogo e coordenação entre o Governo e as Organizações da Sociedade Civil, e elaboração de um “Road Map” (cronograma e processos) para o debate e tomada de decisão conjunta de assuntos relevantes sobre o ProSavana.
 
No primeiro dia, a reunião iniciou com várias interrupções devido a recorrentes pedidos de “ponto de ordem” por parte dos participantes, questionando sobretudo os objectivos da reunião e o critério de selecção das organizações que tiveram acesso directo a convite para poder participar na mesma. Posteriormente seguiu-se a apresentação do representante da MAJOL, Peter Bechtel, que consistiu fundamentalmente em partilhar os resultados de um breve levantamento feito sobre percepções das OSC em relação ao programa ProSavana. Na apresentação ficou claro que o “programa foi mal concebido desde o início, cujos vícios prevalecem até então”.
 
Importa ainda referir que antes da divulgação dos resultados, o apresentador afirmou que os camponeses e as Organizações da Sociedade Civil venceram, que deve-se fazer um levantamento a partir da base para o desenho de um modelo de desenvolvimento do sector agrário adequado à realidade moçambicana e que a JICA está interessada em limpar a sua imagem.
 
O segundo dia do encontro consistiu basicamente na criação de pequenos grupos de discussão para debruçar-se sobre como vai funcionar o mecanismo de discussão que se pretende criar de forma a se ultrapassar as lacunas de concepção do Plano Director do ProSavana e na listagem das principais preocupações que devem ser levadas em conta nas discussões com os proponentes do programa.
 
Apesar de intervenções e contribuições diversificadas, consensualmente os participantes acordaram em seguintes pontos:
 
1. Paralisação do ProSavana nos moldes em que se encontra e de todas actividades em curso relacionadas com o programa;
2. Elaboração de um novo documento que reflicta de facto a realidade do país, construído de “base ao topo” orientado para a agricultura do sector familiar;
3. Reiniciação do processo das consultas comunitárias e construção de um mecanismo de diálogo amplo, inclusivo, democrático e transparente, como aliás, desde 2013, as OSC nacionais e internacionais já vem referindo através da Carta Aberta para Deter e Reflectir de forma Urgente o ProSavana.
 
Assim sendo, embora alguns acreditem na melhoria do Plano Director do ProSavana, a JA! entende que não se pode criar um mecanismo de coordenação e comunicação de um programa que à prior é amplamente contestado por existência de vícios de concepção inaceitáveis, cujo conteúdo tem vindo a ser severamente criticado por não responder às necessidades do povo. Diante desta situação, a JA! reafirma a sua dedicação à Campanha Não ao ProSavana em defesa dos direitos das comunidades locais e do ambiente.
 
Maputo, 19 de Janeiro de 2016
Original source: JA!
TWITTER
FACEBOOK
TWITTER
FACEBOOK

Post a comment

Name

Email address (optional - if you want a reply)

Comment