Brasil: Região do Matopiba bate recorde histórico de desmatamento no Cerrado

TWITTER
FACEBOOK
7-1-2022, EcoDebate
Análise do IPAM com dados do PRODES mostra maior desmatamento no Cerrado no Matopiba desde 2017

Região do Matopiba foi responsável por 61% da maior supressão desde 2015: em um ano, a área total derrubada no bioma equivale a quase seis cidades de São Paulo.

Por Bibiana Garrido, IPAM

O Matopiba – que compreende os Estados da Bahia, do Maranhão, do Piauí e de Tocantins – bateu recorde de concentração do desmatamento no Cerrado. Do total de vegetação suprimida no bioma entre agosto de 2020 e julho de 2021, 61,3% (5227,32 km²) esteve concentrado na região. Trata-se de um registro histórico para a série Prodes (2002–2021), superando o ano de 2017, quando a região foi responsável por 61,1% da derrubada no Cerrado.

A análise é de pesquisadores do IPAM (Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia) e vem à tona na sequência da consolidação dos dados do Prodes, do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), para o mapeamento de supressão da vegetação nativa do Cerrado no período. A área total desmatada no bioma é a maior desde 2015 e equivale a quase seis cidades de São Paulo: foram 8.523,44 km² de corte raso, um aumento de 8% em relação aos 7.905,16 km² suprimidos nos 12 meses anteriores.

“O Matopiba tem estado há anos entre as regiões do país onde a vegetação nativa tem sido mais convertida em agropecuária”, diz a diretora de Ciência no IPAM, Ane Alencar. “Essa região precisa de um olhar especial para os conflitos que têm se acirrado por conta dessa conversão. O aumento do desmatamento no Cerrado mostra que a falta de governança ambiental e os conflitos socioambientais decorrentes dela não são prerrogativas somente da Amazônia.”

Maranhão foi o Estado que teve a maior área de vegetação nativa desmatada com 2.281,72 km², seguido por Tocantins 1.710,55 km² e Bahia 925,11 km². Já o Piauí teve 583,73 km² derrubados. Na comparação, a soma da área de Cerrado desmatada no Matopiba corresponde a pouco mais de três vezes o território da capital paulista.

Maior parte em propriedades rurais

A análise do IPAM com dados do Prodes mostra ainda que grande parte da área desmatada no Cerrado ocorreu dentro de propriedades rurais privadas: foram 6.498 km² derrubados, ou 76,2% do total suprimido no bioma.

“O desmatamento no Cerrado está se concentrando em áreas privadas. Como temos apenas 8% do bioma em áreas protegidas, a conservação da savana mais biodiversa do mundo e da caixa d’água do Brasil dependerá de ações em áreas privadas e do setor agropecuário”, avalia a pesquisadora no IPAM Julia Shimbo.

Do desmatamento em FNPDs (Florestas Públicas Não Destinadas), 71% se deu em áreas de sobreposição com CAR (Cadastro Ambiental Rural). Em Terras Indígenas, aproximadamente metade ocorreu em áreas de sobreposição com CAR; e em Unidades de Conservação, quase 80% foi em áreas com sobreposição de CAR.

“A natureza autodeclaratória do CAR permite que uma série de inconsistências surjam, como as sobreposições entre cadastros”, explica a também pesquisadora na instituição, Andrea Garcia. “Essas sobreposições podem servir como indicador a ser usado com cautela em áreas com insegurança fundiária, podendo também refletir, mas não necessariamente, a existência de conflitos.”

Terras sem informação fundiária, ou seja, terras não cadastradas em nenhuma base de dados, respondem por 724 km² desmatados, ou 8,5% do total, enquanto APAs (Áreas de Proteção Ambiental) tiveram 538 km² derrubados (6,3%), e assentamentos 434 km² (5,1%) – sendo que pelo menos 87% do desmatamento em APAs e em assentamentos ocorreu dentro de terras federais.

Destinação agropecuária

Segundo o MapBiomas, Tocantins e Maranhão, nesta ordem, são os Estados que mais perderam vegetação nativa de Cerrado na última década. A iniciativa revelou que a região do Matopiba mais que dobrou a área destinada à agropecuária nos últimos 36 anos.

De 1985 a 2020 o Cerrado perdeu 19,8% de sua vegetação nativa, ou 265 mil km², que equivalem a uma área maior que a do Piauí. A expansão da agropecuária no bioma no mesmo período é quase complementar: foram 262 mil km² destinados à atividade. Atualmente, a agropecuária ocupa 44,2% do bioma.

O Cerrado é o segundo maior bioma do Brasil, com 198 milhões de hectares, e apresenta diferentes tipos de vegetação nativa. Como hotspot de biodiversidade, é a savana mais biodiversa do mundo e está sob elevado grau de ameaça. Quase metade já foi desmatada: 54,5% de seu território ainda é coberto por vegetação nativa, sendo que 44% encontra-se justamente no Matopiba.
Original source: EcoDebate
TWITTER
FACEBOOK
TWITTER
FACEBOOK

Post a comment

Name

Email address (optional - if you want a reply)

Comment